sábado, 23 de abril de 2016

Dilma recebe apoio de simpatizantes contra impeachment ao deixar NY



Alvo de um processo de impeachment no Congresso Nacional, a presidente Dilma Rousseff foi assediada na noite desta sexta-feira (22), em Nova York, por um grupo de simpatizantes do governo federal que são contrários ao processo de afastamento da petista do Palácio do Planalto. Antes de embarcar para Brasília, a petista fez questão de ir cumprimentar pessoalmente os manifestantes que estavam concentrados em frente à casa onde ela estava hospedada nos Estados Unidos.
Ao deixar a residência de Antonio Patriota – embaixador do Brasil na Organização das Nações Unidas (ONU) – com dois buquês de flores nas mãos, Dilma atravessou a rua e foi em direção aos manifestantes. A presidente foi recepcionada pelo grupo aos gritos de "Dilma, guerreira da pátria brasileira".
Mesmo cercada por seguranças, a petista abraçou e beijou os simpatizantes. Os manifestantes, então, prestaram solidariedade ao difícil momento político da presidente.
No momento em que se direcionava para o carro que a conduziria para o aeroporto, Dilma foi questionada por jornalistas sobre qual a importância dessas manifestações de carinho em um momento tão conturbado.
A agenda oficial de Dilma, divulgada na noite desta sexta pela assessoria do Planalto, previa que a presidente iria embarcar em Nova York de volta para o Brasil ao meio-dia deste sábado (23). Porém, a petista decidiu antecipar a viagem, deixando os Estados Unidos ainda na noite de sexta. Ela desembarcou em Brasília no final da manhã deste sábado e foi direto para o Palácio da Alvorada, residência oficial da Presidência.
A presidente viajou a Nova York para participar, na sede da ONU, da cerimônia de assinatura do acordo do clima de Paris, elaborado durante a COP 21. Inicialmente, havia a expectativa de que ela fosse aproveitar seu discurso diante dos chefes de Estado mundiais para denunciar que é vítima de um "golpe parlamentar" no Brasil.
No entanto, ao longo dos quase 10 minutos de discurso, ela falou sobre os compromissos assumidos por seu governo no acordo climático e, em relação à crise brasileira, se limitou a dizer que o Brasil vive atualmente um "grave momento", com uma sociedade que construiu uma "pujante democracia", e que o povo saberá "impedir quaisquer retrocessos".
Entrevista em NY

Mais tarde, em entrevistas à imprensa estrangeira e nacional, a presidente elevou o tom e voltou a afirmar que o processo de impeachment é um "golpe". Ela também disse aos jornalistas que poderá acionar a chamada "cláusula democrática" do Mercosul, a mesma adotada contra o Paraguai depois do afastamento do presidente Fernando Lugo em 2012.

A presidente da República ressaltou ainda que gostaria que a União das Nações Sul-Americanas (Unasul) também olhasse para o processo de afastamento que, atualmente, está em tramitação no Senado.
A chamada "cláusula democrática", aprovada em 2011 pelos países que integram o Mercosul, prevê vários tipos de punição em caso de ruptura ou ameaça de ruptura da ordem democrática, de uma violação da ordem constitucional ou de qualquer situação que ponha em risco o legítimo exercício do poder e a vigência dos valores e princípios democráticos.
Dependendo da gravidade do caso, as punições podem incluir a suspensão do país no bloco econômico, com fechamento total ou parcial das fronteiras terrestres para limitar o comércio, o tráfego aéreo e marítimo, as comunicações e o fornecimento de energia, serviços e abastecimento.

Fonte: G1

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seja respeitoso. Os comentários serão moderados, caso haja algum desrespeito serão excluídos.